Tá difícil…

Boa tarte, pessoal! tudo bem? Espero que sim!

Prometi voltar a escrever com mais frequência no tempoquefalta, mas nos últimos meses tem sido muito difícil pensar em algo a escrever. Não por falta de temas, mas por excesso. Desde o início deste ano tudo tem corrido absurdamente rápido. Conheci muitas pessoas e minhas atividades, dentro e fora da universidade mudaram bastante. Este é mais um ano estilo montanha russa. Espero que muito em breve eu possa discorrer sobre algum assunto interessante que possa acrescentar algo a todos. Enquanto isso não acontece e meus pensamentos ficam doidos por aí, por folhas de caderno, ouvidos alheios e aqui também.

Um pensamento que já escrevi talvez umas três vezes durante este ano e que me provoca é um do Herman Hesse:

“Tanto maior será a base de uma Ordem futura quanto o forem os sacrifícios que nós hoje fazemos.”

Uma coisa importante é que minha frequência de leituras aumentou absurdamente. Minha fila de leitura está andando aos poucos e espero que volte a ter muito mais empenho para ler tudo o que gostaria. Minha disciplina é fraca e tenho dificuldade em me organizar, mas tenho aprendido um pouco e espero que meu corpo colabore. Estou com uma dificuldade enorme de planejar meu sono e tudo mais, hehe.

“Toco tu boca, con un dedo toco el borde de tu boca, voy dibujándola como si saliera de mi mano, como si por primera vez tu boca se entreabriera, y me basta cerrar los ojos para deshacerlo todo y recomenzar, hago nacer cada vez la boca que deseo, la boca que mi mano elige y te dibuja en la cara, una boca elegida entre todas, con soberana libertad elegida por mí para dibujarla con mi mano por tu cara, y que por un azar que no busco comprender coincide exactamente con tu boca que sonríe por debajo de la que mi mano te dibuja. Me miras, de cerca me miras, cada vez más de cerca y entonces jugamos al cíclope, nos miramos cada vez más de cerca y nuestros ojos se agrandan, se acercan entre sí, se superponen y los cíclopes se miran, respirando confundidos, las bocas se encuentran y luchan tibiamente, mordiéndose con los labios, apoyando apenas la lengua en los dientes, jugando en sus recintos donde un aire pesado va y viene con un perfume viejo y un silencio. Entonces mis manos buscan hundirse en tu pelo, acariciar lentamente la profundidad de tu pelo mientras nos besamos como si tuviéramos la boca llena de flores o de peces, de movimientos vivos, de fragancia oscura. Y si nos mordemos el dolor es dulce, y si nos ahogamos en un breve y terrible absorber simultáneo del aliento, esa instantánea muerte es bella. Y hay una sola saliva y un solo sabor a fruta madura, y yo te siento temblar contra mi como una luna en el agua.”
Rayuela – Capitulo 7, Julio Cortázar

Obrigado, pessoal! Por tudo! Até mais.

 

 

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Uma resposta para “Tá difícil…

  1. Entendo. Sobre organização… ainda não desenvolvi! Nem tenho meta tão ambiciosa.

    Abraço :*

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s